O Superior Tribunal de Justiça firmou entendimento acerca de bem de família em alienação fiduciária, o qual foi dado como garantia. O entendimento do STJ foi no sentido de que a impenhorabilidade não prevalece sobre a alienação fiduciária. O caso analisado tratou da possibilidade de consolidação de propriedade de imóvel (bem de família) dado voluntariamente em garantia de alienação fiduciária, realizada em contrato de empréstimo com banco. A beneficiária do mútuo é uma empresa da qual é sócia uma das proprietárias do bem.